Dia Mundial contra a SIDA

Solidários no Dia Mundial contra a SIDA

Criado em 1988, o Dia Mundial da SIDA foi o primeiro dedicado à saúde em todo o mundo. Desde então, as agências das Nações Unidas, os governos e a sociedade civil uniram-se para lutar em determinadas áreas relacionadas com o HIV. Todos os anos, a 1 de dezembro, o mundo comemora-o. Pessoas de todos os países reúnem-se para apoiar as pessoas que vivem com o HIV e lembram-se das pessoas que morreram de doenças relacionadas com a SIDA.

 

Em todo o mundo são realizadas atividades de sensibilização, muitas pessoas decidem usar uma fita vermelha que mostra apoio com as pessoas afetadas. O Dia Mundial da SIDA lembra à sociedade e aos governos que o HIV não desapareceu.

 

A resposta da Remar para as pessoas com SIDA

 

A Remar tem sido, desde a sua criação, uma ONG que acolheu crianças, jovens e adultos com HIV nas suas Casas de Acolhimento, a fim de apoiá-los, acompanhá-los e ajudá-los em todas as áreas dentro das nossas possibilidades. A Remar acolhe em mais de 70 países em 5 continentes, cada pessoa necessitada, contagiada ou não com HIV. Nós não fazemos qualquer discriminação.

 

Em países como a Guatemala e a República Dominicana, foram abertas casas especialmente dedicadas aos cuidados das crianças com HIV, a fim de lhes proporcionar tudo o que precisam para a sua melhor recuperação. Estas Casas são chamadas SANISI HOMES.

Para poder cuidar destas crianças da melhor forma, foram procurados todos os recursos possíveis, como a comida certa para cada uma, tendo em conta que, além do HIV, estas crianças apresentaram, em alguns casos, casos graves de desnutrição crónica.

 

Temos trabalhado à procura de medicamentos em colaboração com hospitais e instituições locais em cada país, procurando sempre os melhores cuidados médicos possíveis para cada um deles, e assumindo as despesas decorrentes desta atividade.

 

Além disso, as crianças, quando o seu estado de saúde permite, são escolarizadas e são fornecidos os cuidados profissionais necessários para que possam desenvolver todas as suas competências. Elas têm os professores, psicólogos, assistentes sociais, educadores especiais para ajudá-las.

Há que ter em conta que muitas destas crianças que passaram pelas casas SANISI da Remar tinham sido abusadas sexualmente, ou eram órfãs ou abandonadas, pelo que é sempre necessário uma equipa profissional multidisciplinar para os seus cuidados globais.

 

Da ONG Remar queremos convidá-lo neste dia a participar connosco e a ser solidário no Dia Mundial da SIDA, colaborando com a Remar.

 

Por favor colabore diretamente com todos os nossos Projetos de Desenvolvimento e Ajuda para com os mais necessitados; com as Casas SANISI e com as Casas de Acolhimento para pessoas carenciadas em mais de 70 Países nos 5 Continentes.

Neste Dia da SIDA, e de uma forma especial, estamos solidários e recordamos aqueles que sofrem, tanto os doentes como as suas famílias.

 

Por favor colabore! Ajude-nos a ajudar!

Atualmente, a Remar continua a trabalhar desta forma em países da América Latina e África, onde continuam a chegar aos nossos Centros Infantis e Juvenis seropositivos.

 

Desde o início de 1982, os jovens que, em consequência da toxicodependência, foram infetados com o HIV e foram encaminhados para lares da Remar, vindos de hospitais, prisões e até de famílias, como foram rejeitados por toda a sociedade, são também bem-vindos e sempre foram bem-vindos. Na REMAR foram e têm sido tratados com dignidade desde sempre, quando a doença ainda era desconhecida.

 

Ainda assim, o HIV/SIDA continua a ser um problema de saúde global, e em algumas regiões como a Ásia, o Pacífico, o Médio Oriente e o Norte de África, o número de novas infeções e/ou mortes tem aumentado nos últimos anos.

A ASSOCIAÇÃO REMAR PORTUGUESA, em cooperação com PARTILHA CONSTANTE - ASSOCIAÇÃO, vem desta forma anunciar que a já habitual Ceia de Natal Solidária, dirigida aos sem-abrigo e população mais fragilizada da cidade de Lisboa, vai ser levada a cabo em formato Take Away, em virtude das imposições restritivas da DGS, (Direção Geral de saúde), motivadas pela Pandemia COVID19.

 

Muito Agradecemos a todos os que se voluntariaram, no entanto e tendo em conta o formato excecional em que a ceia será servida este ano, não será necessário o numero de voluntários com que habitualmente contamos para o efeito, sendo que oportunamente, o nosso departamento de relações publicas convocará o grupo de voluntários necessários para levar a cabo esta iniciativa. 

Assim sendo informamos que estão já encerradas as inscrições para este evento em particular, mantendo-nos no entanto na expetativa 
que muito em breve todos possamos de novo dar o nosso contributo aos mais carenciados, através deste ou de outro projecto social em curso.
Sem mais por agora desejamos a todos umas festas felizes e um prospero ano novo com muita saude.